segunda-feira, 3 de abril de 2017

Naquela dança.

 Em seus braços eu percebi como minha vida mudaria, eu senti meu coração bater rapidamente, conseguia senti-lo nas pontas de meus dedos enquanto eles estavam entrelaçados nos seus.
 Suas mãos estavam tímidas em mim, enquanto as minhas desajeitadas suavam, eu sei que o lugar estava cheio com várias outras pessoas e a música abafava nossa voz, mas tudo o que eu ouvia era meu coração e o bater das asas daquela borboleta, causando um tufão em meu futuro.
 Foi só uma dança. Uma dança e todo meu futuro mudado.
 Não havia malicia nas risadas, não havia segundas intenções, a risada durou a noite toda e seu calor percorreu meu corpo pela madrugada.
 Foi só uma dança. Uma dança e todo meu futuro mudado.
 Me senti livre pela primeira vez, como se nada pudesse me afetar, senti que eu estava flutuando, senti como se eu tivesse acordado. E durante aquela noite não me preocupei nem com a sapatilha apertando meus pés, apenas deixei meu corpo guiar o teu, ambos desajeitados, pelo salão de dança.
 Foi só uma dança. Uma dança e todo meu futuro mudado.
 Só uma dança.
 Mas ainda consigo ouvir tua risada, ainda consigo ouvir sua voz contando os passos, comemorando o maior tempo sem que nenhuma pisava no pé da outra.
 Foi só uma dança. Uma dança e todo meu futuro mudado.
 Só uma dança e nada mais. Só uma dança, sem malicia ou segundas intenções.               
 Mas sempre me lembrarei de como meu corpo tremia, de como meu coração batia e de como eu me sentia nas nuvens.
 Foi só uma dança, mas que em seus braços eu percebi como minha vida mudaria. E mudaria para sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário