segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Texto perdido de 2015

O dia amanheceu e eu voltei para casa, teu perfume, exalando de minha pele, penetrando em meu pijama e edredom, deito a cabeça no travesseiro e apenas sorrio. Sim, sem mais, apenas sorrio. 
Meu corpo treme, exausto em um espasmo de lembrança percorrendo minha mente.
Penso em como não queria ir embora, mas ao mesmo tempo penso no espaço perfeito pra mim na cama e pensando em como é bom finalmente te conhecer.
Não foi como pensei que seria, nada é. 
Parecem outros tempos, parece uma outra pessoa que não eu. Parece que aquele era meu sonho, e a realidade é essa, agora sentada na sala do meu pai cercada por minhas irmãs, parece que foi em um universo paralelo, mas foi apenas algumas horas. 
Troco o pijama, troco o edredom, tomo um banho estou exausta de corpo e mente. Mas teu perfume permanece em minha pele, em meu quarto, e ao deitar a cabeça no travesseiro, seu perfume me abraça te colocando em meus sonhos.

domingo, 28 de fevereiro de 2016

Texto #08

 Esperei tanto tempo por esse momento que parece irreal.
 Um sonho. Surreal. 
 Sei que a televisão está ligada, sei que o tempo continua passando.
 Mas eu apenas escuto sua respiração, seus olhos estão fechados quase dormindo, mas suas mãos continuam subindo e descendo em minha cintura.
 Esperei tanto tempo que sinto meu coração acelerado, será que você também sente? 
 O seu está calmo, acostumado a situação.
 Mas não eu. 
 Não me acostumei com a situação.
 Não me acostumei com você na minha frente, na minha cama, em mim...
 Não, eu não me acostumei.
 Sinto o peso da sua perna na minha e você me puxa.
 Meu sorriso um reflexo do seu.
 Você abre os olhos e sinto o mundo parar.
 'Que foi?'
 E eu apenas sorrio, não sei o que dizer.
 Não tenho o que dizer.
 Respiro fundo e fecho os olhos esperando que você o faça também.
 Solto a respiração, já consigo sentir. 
 Será que mais alguém consegue?
 Sinto o peso, sinto a música, as risadas.
 Respiro fundo e penso: Agora não.
 Então você me puxa de novo, de olhos fechados seus lábios tocam meu rosto.
 E então eu consigo ver, de olhos fechados. 
 Eu consigo ouvir, sentir as palavras se formarem. 
 Consigo sentir na minha frente e tudo que penso é para irem embora. 
 Estou apavorada, consigo sentir em cada centímetro do meu corpo. 
 Mais uma vez olho para ti, ainda sem acreditar.
 Parece um sonho, mas não é. 
 Sinto o peso em meu estômago. 
 Consegue ver também? 
 A verdade rindo enquanto tento negar, que a cada dia me apaixono mais e mais.
 Você abre os olhos e me pergunta 'o que foi?'
 Respiro fundo, sinto o peso em meus ombros.
 E eu tento apenas sorrir, não sei o que dizer.
 Não tenho o que dizer.

sábado, 27 de fevereiro de 2016

Tempo.

 Eu já sinto o tempo se esgotando.
 Consigo ouvir do relógio, os ponteiros se movendo.
 Tenho tanto a falar.
 Preciso tanto te falar.
 Mas ainda não é hora e não temos mais tempo.
 Hoje eu irei embora, calçarei meus sapatos e deixarei nossa cama.
 A cama que você nem chegou a conhecer.
 Levantarei a cabeça e me olharei no espelho, colocarei meu melhor sorriso e partirei.
 Minhas roupas e as lagrimas que deixo cair assim como o vento em meu cabelo trás o teu perfume a superfície.
 Parece me seguir a cada passo que dou.
 E a cada passo que dou me afasto de ti.
 Mas a tanto que eu preciso te falar.
 Consegue me ouvir?
 Preste atenção no vento, minhas palavras estão sussurradas nele.
 A chuva que cai sobre ti é uma lembrança minha.
 Está pensando em mim?
 A chuva está te fazendo sorrir? Pense nela como se fossem meus beijos cobrindo seu corpo.
 Consegue me ouvir, sentir?
 Aquele pássaro que cantou perto de ti, o vento soprou delicado beijando-lhe o rosto.
 Minhas palavras chegam em poesia.
 Feche os olhos e sinta.
 Calcei os sapatos, ergui a cabeça e dei adeus a nossa cama.
 Aquela que você nem chegou a conhecer.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Cadê você?

 Cadê você?
 Estou em minha cama esperando por ti,
mas cadê você?
 Te procuro em cada esquina, cada canto, todos recantos.
 Uso todos meus recursos para achar você, mas cadê?
 Meu corpo está frio, ao lado na minha cama tem um vazio.
 E tudo que quero é saber de ti.
 Te imagino, aqui ao meu lado.
 Corpo quente colado ao meu, sua voz sussurrando, rindo,
sorrindo.
 Mas cadê você?
 Deitado em outra cama, abraçado com outra pequena.
 Morena?!
 Agora você está em outra cama, em um sono distante.
 Mas te sinto, imagino comigo.
 Você irá acordar e olhar outros olhos, beijar outros lábios.
 Você irá sorrir para outra pequena, abraça-la.
 Enquanto ainda te desejo, te espero, te procuro.
 Em cada sono, sonho, esquina.
 Em todos os cantos, cada recanto.
 Te procuro.
 Mas cadê você?

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Texto #07 (De uma infinidade como as flores que crescem no Jardim)



 Guardei as flores que você me deu,
guardei-as no livro que conta nossa história.
 Guardei seus beijos em uma caixa, com datas e estrelas,
guardei-os para sentir nas noites solitárias.
 Assim como guardei teus carinhos e tua voz, que me embala no sono.
 Guardarei meu amor, para o dia que resolver me dar o teu.
 E então guardarei o teu, dentro do meu corpo, meu coração, minha alma.
 Não deixarei que nada o tire de mim, mas se quiser ir,
te guardarei na memória, e me lembrarei todas as noites antes de dormir,
para assim, te ver em meus sonhos.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Quero você.

 Quero seus dedos entrelaçados aos meus, quero seus beijos roubados de baixo das cobertas, quero que me beije no meio das frases apenas por não conseguir ficar longe de meus lábios.
 Quero telefonemas e mensagens no meio da madrugada, você dizendo que sentiu saudade, ou rindo da minha voz de sono e por não falar frases com sentido.
  Quero fugir no meio da noite para te encontrar, quero passeios de carro na madrugada apenas por não ter nada de bom passando na televisão.
Quero seu corpo junto ao meu. Quero deitar minha cabeça em seu peito e sentir o seu calor, ouvir seu coração. Quero poder adormecer em seu colo, enquanto te faço carinho.
 Quero poder te fazer cafuné nas minhas noites de insônia enquanto você dorme.
 Quero te manter em segredo, mas também quero "te" gritar para o mundo. 
 Quero novos caminhos, novos cantos, novos lugares, mas quero todos com você. Também quero te mostrar minha antiga escola, ou onde eu estava quando nos conhecemos. 
  Quero conhecer seus amigos e te apresentar os meus. Quero rir enquanto você brinca com meus amigos, e quero ouvir suas histórias com os seus.
  Quero você. Seu cabelo, seus lábios, suas mãos. Quero você de corpo, coração e alma. 
 Quero você por inteiro. 
 Assim como quero me dar inteira pra ti.